Social Icons

1


terça-feira

Como o Blog adiantou, Nilton Figueiredo já trabalha para Robinson em Pau dos Ferros

Nilton Figueiredo no detalhe: braços cruzados e camisa branca

Como nosso Blog adiantou (veja aqui), o ex-prefeito de Pau dos Ferros, Nilton Figueiredo, “desapegou” do candidato, Henrique Alves, ambos do PMDB, para apoiar, mesmo que nos bastidores, o candidato Robinson Faria (PSD).
O seu trabalho seguirá de forma limitada, pois existem outros grupos dentro de Pau dos Ferros que não admitem a aliança com Nilton, diante do seu alto índice de rejeição.
Desta forma, reafirmamos o nosso compromisso com a verdade. Todas as informações postadas neste blog, mesmo as de especulação política, acontecem baseados em fontes, e todas elas de credibilidade.
Afinal, quem conhece os bastidores da política, sabe que há momento correto para assumir ou negar alguma informação. E foi o que aconteceu, mais uma vez, com este FATO.

Acompanhe agora matéria do Blog do Capote, que confirma o que postamos há 5 dias.
O ex-prefeito de Pau dos Ferros, médico Nilton Figueiredo, enfim, resolveu sair da ‘moita’ e deu as caras na mobilização política realizada nesse domingo, 20, em Pau dos Ferros, do candidato ao Governo do RN, Robinson Faria.
Nilton, como se pode ver no detalhe da foto (abaixo), não subiu ao palanque. Ficou ‘na geral’. Não se sabe, ainda, o que aconteceu.
No entanto, uma fonte bem próxima ao ‘doutor’ disse que há uma certa resistência dos ‘amigos de primeira hora’ do candidato à adesão do ex-gestor, que preside o PMDB local, em virtude da sua grande rejeição no município. Há quem afirme que o apoio de Nilton mais atrapalha do que ajuda.
“Se ele subir e declarar apoio, vai azedar o leite”, já dizia um cidadão pau-ferrense, há alguns dias, acrescentando que “Nilton deveria continuar apoiando na surdina, como já vinha fazendo”.
A torcida da seleção brasileira todinha – e a da Argentina também – sabem que Nilton Figueiredo, no primeiro turno, já atuou na campanha do candidato do PSD. Deste modo, não houve uma adesão clássica; apenas a revelação de algo que estava na cara igual a papeira.
A prova é que todos os vereadores e suplentes, que se elegeram na chapa de Bráulio/Maison, em 2012, e, ainda, empresários, familiares e amigos próximos – todos eles – já tinham declarado abertamente seu voto a Robinson, inclusive dona Maria José, esposa de Nilton (ver foto).


Ex-primeira-dama de blusa colorida


Casa de Nilton declarando seu voto - Foto do dia 16/10

 
Foto já nesta semana - Já sem o apoio de Nilton a Henrique Alves


Nora de Nilton, afirmando que ele "desapegou" de Henrique Alves

Fonte: Blog do JP

Garibaldi Alves Filho adverte aliados: “Não vamos morrer de véspera, que nem peru”


O ministro da Previdência, Garibaldi Filho, se pronunciou sobre a pesquisa Ibope, que apontou “virada” de Robinson Faria sobre Henrique Alves na disputa pelo governo do Estado neste segundo turno. Ele se disse “surpreso” com a pesquisa, mas conclamou a militância a “não morrer de véspera, que nem peru”, vez que a eleição ainda não estaria decidida. “O eleitor nosso não pode arriar a bandeira. O que posso dizer é que a eleição não está decidida. Só se decide depois do último voto depositado na urna”, afirmou o ex-governador, em entrevista ao jornal O Mossoroense, neste fim de semana.
“Não vamos nos deixar levar por esse sentimento. Nós vamos ganhar essa eleição se Deus quiser. Não vamos morrer de véspera, que nem peru”, disse o ministro, ao mencionar que não houve uma mudança substancial na campanha que justificasse a ultrapassagem de Robinson na preferência do eleitorado. “É como se o candidato adversário tivesse levado grande parte dos números de Robério Paulino e grande parte dos votos brancos e nulos”, admite.
Afirmando que, às vezes, institutos de reconhecida credibilidade, como o Ibope, erram, Garibaldi apelou para que o eleitor de Henrique não se abata. “Creio que as pesquisas às vezes cometem erros. Não estou afirmando categoricamente que a pesquisa está errada. Para dizer isso eu tenho que ter dados e eu não tenho condições de provar. Quero apenas advertir, no bom sentido. Primeiro, ao eleitor de Henrique Alves para que ele não leve a termo essa pesquisa. A eleição não vai ser decidida por uma pesquisa, não se abata”, declarou o ministro.
A pesquisa Ibope no segundo turno, divulgada na quarta-feira da semana passada, deu 54% das intenções de voto para Robinson, e 46% para Henrique. Diante das próprias reflexões, Garibaldi apelou para que o eleitor de Henrique não “arrie a bandeira”, mas faça como o próprio ministro, que, neste fim de semana, esteve em Mossoró fazendo campanha para o candidato dele.
“O eleitor de Henrique tem que ir à rua, como estou fazendo em Mossoró, rodando em busca do eleitor. O eleitor nosso não pode arriar a bandeira. Ele deve seguir dizendo ao indeciso que ele não pode se deixar levar por um sentimento de protesto. O que posso dizer é que a eleição não está decidida. Só se decide depois do último voto depositado na urna”, afirmou o ministro, ainda na entrevista à imprensa mossoroense.

JUSTIFICATIVA

Ao ser provocado a explicar a derrota de Henrique em municípios onde o peemedebista havia costurado apoios históricos tanto com governistas quanto com oposicionistas, caso de Assú e Pau dos Ferros, Garibaldi afirmou que a população, nesses locais, não assimilou bem a proposta de união de forças defendida pelo candidato. Para o ministro, ali, em vez de somar, houve subtração de votos.
“Eu acho que houve uma municipalização da eleição nesses municípios e, em face disso, as pessoas não assimilaram aquele entendimento proposto em termos altos pelo deputado Henrique Alves, de juntar esforços para evitar uma radicalização e pudessem somar votos para o projeto político de Henrique, que é o melhor. As pessoas entenderam que deveria prevalecer a radicalização. Não deixaram se convencer pelo discurso do deputado Henrique, fazendo com que houvesse certa confusão que fez com ele perdesse a eleição nessas cidades. A aritmética, em vez de somar, diminuiu”, constatou.

Ministro desiste de entregar cargo e de romper com o PT
Ainda em sua entrevista, Garibaldi voltou a criticar o ex-presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva por participar da campanha no rádio e na TV de Robinson Faria. Mesmo se aliando a José Agripino (DEM), principal adversário do PT no plano nacional, o ministro esperava que Lula ficasse neutro na campanha. Na semana passada, Garibaldi chegou a admitir, publicamente, que poderia entregar o cargo no Ministério da Previdência e romper com o PT. No entanto, na entrevista ao Mossoroense, o ex-governador disse que a posição seria uma atitude isolada que não teria repercussão.
“Houve uma preocupação grande. O ex-presidente Lula nos atropelou como aliados. Ignorou a nossa participação na campanha porque votamos em Dilma e fez a propaganda do adversário e isso gerou uma cobrança dos nossos correligionários. Não apenas dos peemedebistas, mas, dos outros partidos, porque a nossa coligação é muito ampla. Mas, é preciso ter cautela antes de uma atitude revanchista a ser tomada isoladamente que Henrique pudesse tomar em detrimento da candidatura de Michel Temer à Vice-Presidência. Isso levou a nós termos uma maior cautela a respeito dessa reação”, afirmou Garibaldi.
Instado a falar se o rompimento com o PT estava na ordem do dia, Garibaldi negou afirmando que o vice-presidente da República e companheiro de chapa de Dilma Rousseff, candidata do PT à reeleição, Michel Temer, conduziria os acertos políticos com a cúpula nacional do PT. “Não, no momento não; não passa. Não quero tomar uma atitude isolada que não teria nem essa repercussão toda. Isso deve ser examinado no plano nacional. É preciso aguardar que Michel Temer é candidato a vice-presidente”, disse o ministro.

Fonte: Jornal de Hoje

segunda-feira

Cobertura fotográfica do aniversário de Samid Alves que contou com a presença dos Nonatos

No último sábado Dimas Alves reuniu em sua residência parentes e amigos para celebrarem com churrasco, wysk e cerveja o aniversário de seu filho Samid Alves.
Estiveram presentes a prefeita Klébia Bessa, os vereadores José de Theófilo, Jeffson Alves, o ex-prefeito Djalma Pereira entre outras autoridades.
Quem esteve por lá também foi o empresário Diniz das Óticas Diniz e Josué e os artistas Os Nonatos acompanhados de seus músicos que fizeram questão de dar uma palhinha pra animar os que ali estavam presentes.


Os Nonatos se mostraram simpáticos e atenderam a todos presentes fosse cantando, tirando fotos e dando autógrafos.
Foi o aniversário mais concorrido da cidade esse ano.
A noite Os Nonatos tiveram show em São Miguel e uma turma aqui de Taboleiro Grande esteve por lá para prestigiar.
A Samid toda felicidade do mundo nessa nova data.




































Dilma tem 52%, e Aécio, 48% dos votos válidos, aponta Datafolha

Pesquisa Datafolha divulgada nesta segunda-feira (20) aponta os seguintes percentuais de votos válidos no segundo turno da corrida para a Presidência da República:

- Dilma Rousseff (PT): 52%
- Aécio Neves (PSDB): 48%
Para calcular esses votos, são excluídos da amostra os votos brancos, os nulos e os eleitores que se declaram indecisos. O procedimento é o mesmo utilizado pela Justiça Eleitoral para divulgar o resultado oficial da eleição.

A pesquisa foi encomendada pela TV Globo e pelo jornal "Folha de S.Paulo".

De acordo com o Datafolha, na reta final da eleição, os candidatos continuam empatados, no limite da margem de erro, de dois pontos percentuais para mais ou para menos, mas Dilma aparece pela primeira vez numericamente à frente de Aécio em um levantamento feito após o primeiro turno.
No levantamento anterior do instituto, divulgado no dia 15, Aécio tinha 51% e Dilma, 49%.

Votos totais
Se forem incluídos os votos brancos e nulos e dos eleitores que se declaram indecisos, os votos totais da pesquisa estimulada são:

- Dilma Rousseff (PT): 46%
- Aécio Neves (PSDB): 43%
- Em branco/nulo/nenhum: 5%
- Não sabe: 6%

Na margem de erro, os candidatos estão empatados tecnicamente.

O Datafolha ouviu 4.389 eleitores no dias 20 de outubro. A margem de erro é de dois pontos percentuais para mais ou para menos. O nível de confiança é de 95%. Isso significa que, se forem realizados 100 levantamentos, em 95 deles os resultados estariam dentro da margem de erro de dois pontos prevista. A pesquisa está registrada no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) sob o número BR-01140/2014.

Certeza do voto
O Datafolha também perguntou, entre os dois candidatos, em quem os eleitores votariam com certeza, em quem talvez votassem e em qual não votariam de jeito nenhum. Veja os números:

Dilma
45% - votariam com certeza
15% - talvez votassem
39% - não votariam de jeito nenhum
1% - não sabe

Aécio
41% - votariam com certeza
18% - talvez votassem
40% - não votariam de jeito nenhum
2% - não sabem

Fonte: G1